A importância do desenho para o desenvolvimento do seu filho Seguir o Blog!
Seja para brincar ou para fazer uma tarefa escolar, o grafismo na infância está presente desde muito cedo. Basta que a criança consiga empunhar um giz de cera para que ela comece a se expressar. Veja como enriquecer ainda mais esse momento
De repente, o papel branco ganha rabiscos, formas e cores. A mão, ainda tão pequena, faz os desenhos mais diferentes que você já viu na vida. - Mãe, olha, fiz um jacaré! Você, claro, sorri, diante daquele monte de traços malucos espalhados pelo papel. Toda criança gosta de desenhar e, apesar de parecer apenas uma brincadeira, isso faz parte do desenvolvimento do seu filho. Tanto é que uma pesquisa feita pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade Kings College London, no Reino Unido, mostrou que o desenho pode ser um indicador da inteligência de cada um no futuro. Para chegar a esse resultado, os pesquisadores analisaram 15.504 crianças de 4 anos. Os pais pediram que elas fizessem um desenho, que recebeu uma nota em uma escala de 0 a 12. Essa pontuação levou em conta se a criança desenhava o corpo humano completo, ou seja, com cabeça, tronco, pernas e braços. Dez anos mais tarde, quando os desenhistas já tinham 14 anos, eles passaram por um teste de inteligência. Os cientistas, então, perceberam que, quem teve notas mais altas nos desenhos feitos aos 4 anos, também foi melhor nas avaliações. Segundo a pesquisadora Rosalind Arden, que liderou o estudo, os pais não precisam se preocupar se a criança não desenha bem, já que existem outros fatores fundamentais, como a genética e o ambiente, para o desenvolvimento da inteligência. “O mais importante é oferecer todos os recursos para que a criança desenhe à vontade, o quanto quiser”, explica o pedagogo Lino de Macedo, membro do Instituto PENSI (Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil), do Hospital Infantil Sabará (SP). Enquanto desenha, seu filho adquire muitos aprendizados. O primeiro deles é controlar o giz de cera, o lápis ou a caneta. Usar o dedo indicador e o polegar, em um movimento de pinça, é resultado do desenvolvimento da coordenação motora fina. Ao escolher o que desenhar, mesmo que os traços sejam entendidos apenas por ele, a criança está expressando seus pensamentos. Sim, desenhar é uma forma de comunicação. “É uma maneira de demonstrar sua percepção do mundo à sua volta, da situação que está vivendo”, diz a educadora Lisie De Lucca, coordenadora de cultura do Colégio Porto Seguro, em São Paulo. Diferente do desenvolvimento motor, por exemplo, em que os passos se tornam cada vez mais firmes com o passar do tempo, o desenho não apresenta um crescimento linear. Ou seja, seu filho pode voltar a fazer garatujas (traços iniciais) mesmo que já tenha aprendido a desenhar algumas formas. Não há problema algum nisso. “É importante que os pais não tentem direcionar os traços para o ‘jeito certo’ ou ‘mais bonito’”, alerta a educadora Suzy Vieira de Souza, coordenadora de Educação Infantil do Colégio AB Sabin (SP). [ ... ]
Tags: arte-educação, desenvolvimento, socioemocional








powered by eLearning fit