Essa tinta sai da roupa? Seguir o Blog!
19/08/2019. HELIO RODRIGUES
É assim mesmo, especialmente as crianças menores quando lidam com tintas se sujam mesmo e muito! Essa é uma experiência sensorial que deixa marcas importantes na vida. Marcas que ficam e fortalecem o desenvolvimento das crianças. Já na roupa, dependendo da tinta, pode até sair. Elas pintam braços, pernas e até se puderem pintam as barrigas; o que muitas vezes incomoda os adultos, apesar de ser uma forma simbólica de representação da nutrição. Afinal, a barriga assim como a boca são lugares do alimento, como também externamente é a arte. Nos bebês, se não ficarmos atentos, é para a boca que vão as tintas. Por isso, com esses pequeninos é melhor se pensar nas tintas comestíveis. A importância desses processos sensoriais é tão grande que se não forem vividos, principalmente nos primeiros anos de vida, podem surgir dificuldades cognitivas durante a vida. A sensorialidade, além do prazer, é fonte de pesquisas e de consequentes descobertas. Com ela as crianças descobrem o mundo, exploram a afetividade e organizam melhor seus comportamentos sociais. Não há desenvolvimento da sensibilidade sem um bom contato sensorial. É tão fundamental os processos promovidos por esse tipo de experimentação, que as crianças que não tiveram a possibilidade de viverem a intensidade desses momentos, podem apresentar, logo após a alfabetização desinteresse e até desprezo pelos próprios resultados artísticos. Se distanciam dos processos de uma maneira geral e na fase adulta podem se tornar indivíduos inseguros ou excessivamente auto críticos. A arte costuma ser a grande colaboradora para esse resgate. Mesmo que tardiamente, crianças de qualquer idade quando são estimuladas criativamente, se nutrem com a oportunidade de viverem esses processos e se re equilibram nas áreas afetadas Já vi pré adolescentes e adolescentes que, quando tiveram oportunidade do contato com a arte, encontraram maneiras, mesmo que dissimuladas, de se “sujarem” com tintas, argila, cola... Puderam viver aquele momento sem pensar em produto, viveram apenas o prazer do processo. Quando isso ocorre, não significa que exista um atraso no desenvolvimento, mas talvez, apenas, uma imaturidade sensorial sendo revisitada e que pode ser ultrapassada com a continuidade de boas aulas de arte, que apresentem propostas simples que ofereçam contato direto com os materiais e que valorizam os processos. Aos pais, sugiro que permitam que suas crianças se sujem e, se puderem, experimentem com elas e se sujem também, afinal, atualizar sensações e reforçar sentimentos é sempre muito bom.
Tags: arte-educação





Leia também: Efêmeras Permanências


powered by eLearning fit